Sem boa educação, não teremos solução

Tempo de leitura: 4 minutos

Nasci em uma família entusiasta da educação como fonte de conhecimento, da valorização e capacitação dos professores, da criação de escolas inovadoras e do patrocínio a entidades governamentais ou privadas ligadas ao universo das artes.

Meu tio avô Dante Ramenzoni, da qual tive o orgulho e responsabilidade de herdar o mesmo nome, participou ativamente da reestruturação da Câmara de Comércio e Arte de São Paulo, no ano de 1902. Meu pai foi presidente do conselho do Colégio Dante Alighieri de São Paulo durante 25 anos. E eu, procuro sempre apoiar causas em prol da melhoria da educação.

Na atualidade, não posso deixar de observar a situação caótica da educação no nosso país, com alunos que ficam cerca de oito anos sendo promovidos de série com um nível de conhecimento baixíssimo e por outro lado, alunos já adolescentes, agredindo fisicamente os seus professores, em plena sala de aula.

Não é mais possível só ter acesso à boa educação, os filhos de pais abastados financeiramente. E falo isso com conhecimento de causa! Há menos de 10 anos, quando estava atuante no segmento de agronegócio, eu observava lá na vizinhança da minha fazenda, crianças que tinham uma sede enorme de aprender e as escolas não correspondiam às expectativas entregando um ensino aquém da qualidade merecida.

Na ocasião, como já sabíamos que o futuro daquelas crianças não seria nada promissor se continuassem frequentando as escolas públicas locais, eu e a Cidinha entendemos que a melhor forma de contribuir seria viabilizar que pudessem cursar escolas particulares. E assim fizemos!

Agora, eu espero que os novos líderes governamentais das esferas estaduais e federais coloquem a educação em primeiro lugar nos seus respectivos planos de ação porque não dá mais para perder tempo.

Eu sei que existem pautas que parecem mais importantes como saúde, segurança, previdência, desemprego, que se mostram mais urgentes e de fato são, mas a educação é a base que vai transformar todas essas outras prioridades.

Se não tivermos educação de qualidade para a população, nunca seremos um país realmente desenvolvido, com melhores condições e oportunidades para todos.

Todos os itens que citei como mais urgentes acima se solucionam se a gente tiver uma educação de qualidade. Eu sei que é um plano de longo prazo, mas que precisa ser implantado já, não dá mais para se perder tempo no Brasil em termos de colocar a educação em primeiro plano.

Provas nacionais e internacionais mostram que os nossos alunos não estão aprendendo e como é vital a reformulação das políticas educacionais dos últimos 30 anos, que só nos levaram à uma estagnação no processo ensino/aprendizagem em todos os níveis, do básico ao superior.

Temos educação para praticamente toda a população, mas a qualidade é muito baixa!

As autoridades competentes precisam começar a prestar atenção no que está acontecendo nas salas de aula, porque na minha opinião, educação depende da perfeita integração entre professor e aluno. A figura do professor bem formado, com constantes atualizações e remunerado de forma digna é fundamental para o nosso país caminhar para a frente.

A tecnologia tão aplaudida hoje em dia não fará o papel do professor ficar menos relevante, pelo contrário, eu acredito que a tecnologia o tornará a cada dia mais prioritário, porque cada vez mais, com a falta de tempo dos pais, é o professor que poderá ajudar a criançada a seguir suas próprias trilhas de aprendizado, aprender de verdade e ter certeza de que possuem a base de conteúdo didático, ético e moral necessários para se tornarem pessoas de bem, educadas e prósperas.

Professor não precisa ser só o detentor de conteúdo, até porque hoje em dia o conteúdo está disponível em variados canais e com uma tamanha facilidade de acesso, que seria inimaginável nos meus tempos escolares. Hoje o professor tem que ser melhor preparado e valorizado para atuar no seu papel de educador, ser um líder mais atuante e inovador em sala de aula e essa valorização tem que ser feita de ponta a ponta.

É necessário rever quais os critérios para quem pretende abraçar essa carreira e elevar os patamares de competências exigidas, para que os professores possam galgar novos degraus na carreira. Avaliar constantemente o que os professores estão ensinando e se os alunos estão aprendendo.

Só assim essa integração entre professor e aluno vai de fato acontecer e o nosso país vai andar para a frente.

Países que fizeram grandes reformas educacionais, a exemplo de Coreia, Singapura e Finlândia colocaram o professor e a carreira do professor como uma coisa muito importante e estratégica para o desenvolvimento do país e é isso que a gente precisa fazer aqui no Brasil. Cuidar da educação!

 

 

 

2 Comentários


  1. Parabéns, texto curto, de simples entendimento e direto… eh o que realmente precisamos, pois sem educação não chegaremos a lugar nenhum…

    Responder

    1. Caro Alexandre,
      Obrigado por ler os meus posts, concordo com vc e sempre falo que sem educação não chegaremos a lugar algum. Abraço!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *