Reflexões de Final de Ano | Parte 2

Tempo de leitura: 3 minutos

Na semana passada eu escrevi minhas impressões sobre os acontecimentos do ano no cenário nacional. Agora chegou a vez de falar dos cenários que me rodeiam, aqueles que estiveram diretamente ligados aos meus propósitos corporativos e também aqueles que regeram a minha vida pessoal.

Começando pelos negócios, 2019 foi um ano difícil para o setor industrial, mas também foi um ano que conseguimos administrar e controlar muito bem, como vem sendo uma constante na nossa empresa. Seguimos nos reinventando com uma gestão compartilhada competente e alinhada, o que tem nos conduzido ao cumprimento das metas almejadas.

Aumentamos a produção e estamos dando conta de vender o que produzimos. Para o próximo ano, vamos continuar investindo pois queremos crescer tanto quanto crescemos em 2019, confiantes de que o Brasil vai ficar um país cada vez melhor para se investir.

Em fevereiro aumentamos as exportações e ao término do primeiro semestre já havíamos duplicado as metas. Poderíamos até estar melhores se não fosse toda essa propaganda negativa contra o governo nas questões ambientais e tantos questionamentos sobre a quem pertence a Amazônia. (O mundo inteiro está de olho na Amazônia, mas ela é BRASILEIRA!)

No âmbito pessoal, o planejamento de viver bem até os 120 anos vem me entusiasmando cada vez mais… continuo administrando bem os cuidados com a saúde, descansando na medida certa, aprimorando os cuidados com o corpo, a mente e a alma. (E viajando por aí com meus amigos motociclistas!)

O que eu espero e desejo para 2020?

Eu espero que a população brasileira como um todo não se antecipe em julgamentos, porque eles podem ser falhos.

Gostando ou não do presidente Bolsonaro, precisamos dar a ele a chance de seguir seu plano de governo, afinal, ainda temos três anos pela frente para fazermos uma análise mais consistente sobre a gestão dele e de sua equipe e, vale lembrar, a vida pode ficar mais fácil de levar se não julgarmos nada nem ninguém precipitadamente. (E se colocarmos em ordem primeiro a gestão da nossa própria vida para depois criticarmos a performance dos outros.)

Eu quero mesmo é que todas as pessoas, próximas a mim ou não, sejam mais felizes, com um país melhor organizado, onde a educação seja encarada como um investimento e não como um gasto, na qual os alunos sejam capazes de resolver problemas que envolvam equações matemáticas e raciocínio lógico.

Que o poder público e uma parte cada vez maior da sociedade continuem com as mangas arregaçadas desenvolvendo novas ações que elevem a autoestima do povo brasileiro, criando uma educação digna na qual os nossos jovens entendam a ideia principal dos textos lidos e os empreendedores sintam-se confiantes de levar adiante as suas ideias geradoras de novos empregos.

Que se apresentem novas oportunidades de trabalho, empreendedorismo e de sermos mais felizes com as nossas escolhas…

E olha que para ser mais feliz não precisa muita coisa, não! Tem a ver com se dar bem com as pessoas que nos cercam, fazer boas leituras, conviver em paz com os amigos, ter alguém que gosta da gente ao nosso lado para o que der e vier, nos sentirmos úteis com o trabalho que fazemos, não permitir que ninguém nos atrapalhe de fazermos as coisas que gostamos de fazer, enfim…

GOSTAR DE VIVER!

Porque enquanto tivermos gosto pela vida, ela vai nos retribuir gostando mais da gente.

E que possamos cada vez mais buscar o que nos seja significativo, não o que seja conveniente. Dá muito mais trabalho, mas a sensação… Ah! Essa não tem dinheiro no mundo que possa comprar.

Feliz Ano Novo!

 

1 comentário


  1. Parabéns pela mensagem. Adorei!!! Esperamos
    que 2020 seja a consolidação do desenvolvimento brasileiro em todos os setores. Confiamos nisso sempre, fazendo a nossa parte. Desejo o melhor para voces!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *